Passada a porta entra-se num átrio, a antiga portaria, podendo observar-se na parede da esquerda o lugar da “roda”, ponto de comunicação com o exterior, para abastecimento da casa, saída e entrada de correspondência, etc.

Na sala contígua à portaria conservavam-se em meados do século passado, retratos a óleo de D. Lázaro Leitão Aranha, de duas sobrinhas do fundador (as quais muito demandaram com a justiça depois da morte de seu tio) e, ainda, um retrato do rei D. João V.

À direita do átrio abria-se a igreja onde, na antiga capela mor, se guarda, ainda, o túmulo do fundador do Recolhimento, o cónego Lázaro Leitão Aranha. De referir que a igreja dispunha de belíssimos retábulos encomendados em Roma que embelezavam o altar-mor e duas capelas laterais, os quais entretanto levaram sumiço ou apodreceram com o tempo...

Actualmente o espaço, como se vê, é ainda utilizado como capela para os utentes deste estabelecimento.

Antes de falarmos sobre a história deste edifício, podemos contemplar o túmulo de Lázaro Leitão, assente em dois leitões de mármore cinzento e decorado num dos lados da arca tumular com um busto seu e do outro lado com o seu brasão. O túmulo ostenta uma exuberante inscrição latina, que indica a data da sua morte – 2 de Agosto de 1767 – tinha ele 89 anos.

 

Lázaro Leitão mandara ele mesmo em vida, construir o seu túmulo.

Por sobre o túmulo vê-se, ainda, a grade que dava para o coro do Recolhimento.

.............................................................................................................................................

 

Grande parte do que vou, seguidamente, referir, é baseado num trabalho recente realizado pela Dra. Delminda Rijo, que é o mais completo estudo de investigação sobre a História dos Recolhimentos de Lisboa.

Ora, foi neste local que D. João II, no século XV, fez erguer um edifício destinado às Comendadeiras de Santiago, quando estas abandonaram a anterior Casa localizada a poente da cidade, no sítio de Santos, onde hoje funciona a Embaixada de França, encostada à Igreja de Santos-o-Velho. Estas religiosas passaram, também, a ser conhecidas por Comendadeiras de Santos-o-Novo.

Abra-se um parêntesis para referir que estas Comendadeiras de Santiago eram, em grande parte, viúvas dos militares da Ordem de Santiago que morriam em missões de combate, sendo o seu sustento garantido pelos bens da Comenda de Santiago, daí chamarem-se “comendadeiras”.

Fechando o parêntesis e continuando a história, diga-se que mais tarde, em 22 de Julho de 1689, entraram para aqui os frades capuchos conhecidos por barbadinhos italianos, instituindo um hospício que consagraram a Nª Sra dos Anjos. As comendadeiras haviam, entretanto, transitado para uma nova Casa, aqui bem perto, que passou a ser conhecida por Convento das Comendadeiras de Santos-o-Novo.

Para que os frades pudessem dispor, à vontade, destas instalações, D. João V comprou esta Casa às comendadeiras. Mais tarde, em meados de 1742, quando os frades capuchos deixaram de precisar do edifício – dispunham, agora, de um vasto Convento aqui bem perto – o rei D. João V vendeu por 11.000 cruzados a Casa e os seus terrenos a um famoso cónego Lázaro Leitão Aranha, possuidor de grande fortuna, que aqui instituiu, depois de feitas as necessárias obras, um Recolhimento mantendo a invocação de Nª Sra dos Anjos, destinado a viúvas nobres, pobres e honestas e meninas nobres, sob a protecção régia de D. João V, vivendo em regime de clausura, independentemente de terem ou não professado os “votos”.

O edifício passou a dispor de igreja, sacristia, coro, comungatório, quarenta e duas celas e restantes dependências utilitárias. Aquando da sua inauguração, a 3 de Julho de 1747,  com missa rezada e a que assistiu a rainha D. Mariana de Áustria, entraram solenemente no Recolhimento dez viúvas e sete educandas porcionistas.

O sustento do Recolhimento dependia, entre outras rendas, da doação de dois mil cruzados anuais doados pelo instituidor. Derivado a querelas jurídicas relacionadas com a herança de Lázaro Leitão Aranha, o morgado acabou por passar para a Coroa, em 1802.

O Recolhimento foi passando por diversas vicissitudes, com carências materiais e instalações degradadas, que se iam atamancando.

Em 1945 o Recolhimento foi integrado no Instituto de Assistência aos Inválidos, para acolhimento de viúvas e filhas de oficiais e funcionários do estado.

No dia 2 de Fevereiro de 1955, foi inaugurado o Lar de Nª Sª dos Anjos, como Centro de trabalho para raparigas cegas e que funcionava como uma dependência do Asilo de Velhos de Marvila.

Finalmente, em 27 de Maio de 1962 o Lar foi substituído pelo Centro de Reabilitação Nª Sª dos Anjos para deficientes visuais com cegueira ou baixa visão adquiridas. O modelo de intervenção foi implementado por um perito americano em reabilitação de cegos, enviado pelo Bureau International du Travail, que permaneceu em Portugal 18 meses, dando formação e organizando a estrutura de funcionamento da instituição.

............................................................................................................................................

 

Duas palavras apenas sobre o fundador do Recolhimento. Lázaro Leitão Aranha, era uma pessoa famosa do século XVIII, que desempenou diversos e importantes cargos públicos e eclesiásticos.

Foi lente de leis na Universidade de Coimbra, Desembargador dos Agravos, deputado da Mesa de Consciência e Ordens, Secretário da Embaixada extraordinária ao papa Clemente XI, em 1716,  cónego e principal da Sé Patriarcal.

Era um opulento proprietário, sendo o fundador do palácio da Junqueira, onde está actualmente a Universidade Lusíada, possuindo igualmente casa no Calhariz, onde foi a sede da Caixa Geral de Depósitos e hoje está instalada a Fidelidade Seguros.

Lázaro Leitão Aranha, faleceu em 2 de Agosto de 1767, na sua casa do Calhariz, tendo sido sepultado nesta Igreja do Recolhimento, em túmulo que mandou construir. 

 

Francisco Xavier Alves

Destaques

Prev Next

Um Herói sem Capa

Hits:597

  Samuel Natário cegou há quatro anos. O céu caiu-lhe em cima, mas não desistiu. Reaprendeu a viver por si e pela sua filha. Esta é a sua história.   Ainda antes de...

Jornada Etnográfica – Alentejo e Algarve…

Hits:654

Neste trimestre e em função de vários utentes do CRNSA serem oriundos do sul de Portugal, foi decidido que a já tradicional semana gastronómica temática seria dedicada ao Alentejo e...

Visita ao Recolhimento de Lázaro Leitão

Hits:1677

Passada a porta entra-se num átrio, a antiga portaria, podendo observar-se na parede da esquerda o lugar da “roda”, ponto de comunicação com o exterior, para abastecimento da casa, saída...

Agradecimento de Pedro Roma

Hits:1635

Depois destes meses de partilhas e entre ajudas, chegou a hora. Em toda a minha vida, passei momentos únicos e inesquecíveis que me vão ficar na memória para sempre, e neste...

Festas na Quinta

Hits:1592

No passado dia 15 de Julho, o Centro de Reabilitação Nossa Senhora dos Anjos proporcionou a alguns utentes, juntamente com o grupo de jovens que integram o Programa de Verão,...

Aniversário CRNSA 2015

Hits:1597

No dia 27 de Maio de 2015 comemorou-se quinquagésimo terceiro aniversário do CRNSA. A festa foi tranquila e intimista, dedicada aos utentes e funcionários, e constou de um almoço convívio...

Os cavalos também cuidam

Hits:1826

Os cavalos também cuidam

A hipoterapia é um método terapêutico e educacional que utiliza os cavalos para treinar as competências e a autonomia das pessoas com deficiência.   Cuca e Café, dois dos mais mansos cavalos...

CRNSA na Semana da Mobilidade

Hits:2029

O Centro de Reabilitação Nossa Senhora dos Anjos participou na Semana Europeia da Mobilidade, este ano dedicada ao tema “As nossas ruas, a nossa escolha”, tendo como objetivo promover a...

Agradecimento de Rodrigo Boto

Hits:2282

13 de Maio de 2014 Hoje é dia de Nossa Senhora de Fátima, mas para mim este dia é dia de todas as suas representações. Por isso, hoje é dia de...